Baleias

  Baleiar ou observar baleias é o lazer preferido de centenas de turistas que chegam para a temporada 

das jubartes, entre julho e novembro, quando elas migram para Abrolhos. A cada ano, o instituto Baleia 

Jubarte - uma organização não governamental, criada em 1996 com sede em Caravelas, que desenvolve 

diversas ações na região - registra a presença das baleias cuja população já ultrapassou mil animais na 

área de Abrolhos.
   Mais conhecidas como baleias-cantoras ou baleias-corcundas, a jubarte encanta pela docilidade com

que se aproximam das embarcações, encenando várias acrobacias mirabolantes e emitindo sons audíveis 

por microfones submersos que pressupõe a dança do acasalamento.
   Todos os anos, elas percorrem 5 mil quilômetros, a partir da Antártica, em busca das águas mornas, 

rasas e cristalinas do extremo sul da Bahia. As baleias Jubarte (megaptera novacangliac), fogem do 

inverno rigoroso e das águas geladas da Antártida para passar o tempo de reprodução e cria no mar 

de Abrolhos.
 Esses mamíferos, que quase foram extintos da costa atlântica brasileira, passaram a ser preservados 

por força do decreto lei nº 7.643, de 18 de dezembro de 1987, que proibiu a caça, captura e qualquer 

forma de molestamento em águas brasileiras. Hoje, as baleias são internacionalmente protegidas através 

de acordo firmado entre paises membros da comissão baleeira internacional.  
  As Jubarte tem um comportamento diferenciado. Elas veem em busca de águas rasas e mornas para 

procriar e amamentar seus filhotes que nascem com até duas toneladas, e chegam a consumir de 100 a 

400 litros de leite por dia. As baleias Jubarte são uma das maiores do planeta e, quando adultas, 

podem medir até 15 metros e pesar 30 toneladas. 

 Durante o tempo que passam migrando as Jubarte não se alimentam e, no arquipélago, estão protegidas 

de seus principais predadores; as baleias Orca, que habitam águas mais frias e são raras na região dos 

recifes de corais.

Características Principais: A baleia Jubarte possui suas

nadadeiras peitorais muito grandes, que podem chegar a

medir o equivalente a quase um terço de seu comprimento

total. As nadadeiras dorsais são pequenas e fica em cima de 

uma  corcova. A nadadeira caudal tem pordas recortadas e

padrão da superfície ventral variável. A cabeça é coberta 

de pequenas calosidades redondas, e o borrifo é espalhado, 

em forma de balão. 

Tamanho: O comprimento médio é de 12 a 15 metros.              
Peso:
Varia entre 25 a 30 toneladas

 

Gestação e cria: Em 12 meses, nasce apenas uma cria com
cerca de 5 metros. Os filhotes nascem com 1 a 2 toneladas. 
Alimentação: Krill (pequeno camarão) e pequenos peixes.
Distribuição: Possui hábitos costeiros. Ocorre em todos
os oceanos, no Brasil, distribuem-se desde o Rio Gde do Sul 
até o Arquipélago de Fernando de Noronha, sendo que sua 
maior concentração ocorre em Abrolhos-BA.
Ameaças: Captura acidental em rede de pesca, colisão com
barcos e navios, poluição de mares e a destruição do habitat
são as principais ameaças à baleia jubarte.

Status: Vulnerável.